quinta-feira, 16 de abril de 2015

O giro dos tufões


Os que amei, onde estão? Idos, dispersos,
arrastados no giro dos tufões,
Levados, como em sonho, entre visões,
Na fuga, no ruir dos universos...
......................................................
Mas se paro um momento, se consigo
Fechar os olhos, sinto-os a meu lado
De novo, esses que amei vivem comigo,

Vejo-os, ouço-os e ouvem-me também,
Juntos no antigo amor, no amor sagrado,
Na comunhão ideal do eterno Bem.

Antero de Quental, in "Sonetos"
 

                                                               A equação  parece simples e nem necessitaria da ajuda  da matemática. Imaginem uma garota  bonita, meiga, doce, filha de um médico renomado, nascida na capital, com todas os desejos de uma criança totalmente ao alcance das mãos. Os mais simples anseios adolescentes ali estavam perfeitamente atingíveis. O caminho mais previsível seria relegar os estudos a um segundo plano, meter-se em festas , ter a praia como uma extensão da sua casa e tomar o shopping center como seu templo  maior, onde passaria a fazer oferendas diárias ao mais sagrado deus da modernidade : o consumo. Depois, certamente, apareceria o casamento perfeito  e nem haveria a necessidade de se preocupar com o futuro. Viriam alguns filhos que seriam criados afetuosamente pelas babás, pagas regiamente, e a vida se resumiria a viagens, passeios e deleites. Os frutos da existência estavam ali pendentes em galhos baixos, prontos para a colheita diária.
                                               Este talvez seria o caminho trilhado por incontáveis dondocas dos dias atuais. A felicidade vista ali na prateleira da loja de departamentos pronta para ser adquirida , dia a dia, nas mais variadas sessões. O cartão de crédito seria o ingresso de cortesia para o Shangri-lá. Pois bem, pensem, agora, num anjo que , simplesmente, resolve nadar contra a corrente e escolhe trilhar, biblicamente, o caminho estreito ao invés da highway.  
                                               Ela se chamava Marinila e fez-se aluna dedicada, enveredou pela Medicina e formou-se com aquela chama hipocrática de tratar e curar os mais necessitados. Poderia escolher uma especialidade rentável, destas que enchem os olhos dos recém-formados da atualidade  tão afeitos às cabines duplas. Eles babam de satisfação e descobrem, rapidamente, sua vocação,  no sonho certo do pote de ouro ao pé do arco-íris. Ao invés disso, ela buscou o patinho feio da sua profissão : A Medicina Social. Poderia, mais uma vez, ter se dedicado única e exclusivamente ao bem-estar da sua própria família. Carregava consigo, no entanto,  a vontade de mudar o destino terrível de uma outra família que houve por bem adotar : a de milhões de desafortunados que migalhavam no país , diuturnamente, por uma consulta, um exame complementar, um medicamento. Profundamente religiosa – uma faceta que herdou indelevelmente da família—descobriu cedo que a doença estava intrinsecamente ligada à política e que , como diria Foucault, para ser sadio o homem necessitaria primeiramente ser liberto.
                                   Num crítico momento porque passava o Brasil, meteu-se na luta desigual que redundou na Constituição de 1988 e nos alicerces do Sistema Único de Saúde. Envolveu-se, logo a seguir, nas gestões municipais do SUS, no interior do Ceará, naqueles terríveis instantes da implementação do novo Sistema, nadando contra as fortes correntezas contrárias da Medicina Privada. Como Secretária de Saúde, deixou um legado inesquecível de trabalho árduo, técnica afiada, administração sóbria e solidária,  e honradez absoluta e irretocável. O Cariri viu, diante de si, a mais completa , justa e bem intencionada Secretária de Saúde de toda sua história. Depois, ascendeu à vida acadêmica, como professora e Coordenadora da Faculdade Federal de Medicina do Cariri, após cumprir, com galhardia, Mestrado e Doutorado na Itália. Os alunos liam facilmente nos seus olhos que a Medicina não era um ofício mas uma Arte,  que o médico trabalhava num templo e não em uma oficina.
                                   A batalha maior da sua vida, no entanto, estava ainda por vir. No auge das vidas profissional e pessoal,  eis que o destino lhe põe face a face com o inimigo contra o qual batalhara durante todos seus dias : a Moléstia. Enfrentou-a com  força hercúlea, instante a instante, minuto a minuto. Manteve-se impávida ante o sofrimento e a dor, fazendo tremular, até o fim, a verde bandeira da esperança. Nestas esquinas tortuosas da vida é que se percebe, claramente,  a religiosidade de superfície.  Do seu corpo já frágil, porém, brotava uma luz incandescente, reflexo da profunda espiritualidade que imantou toda sua existência. Ante o desespero dos amigos mais próximos, pedia que orassem simplesmente para que se fizesse a vontade de Deus e não para que Ele viesse a mudar os seus desígnios.
                                   Estas palavras saem apenas agora depois de quase um ano do voo último do nosso pássaro. É que para todos nós,  Marinila se mostra ainda tão vívida , parece que encontraremos aquele sorriso  aberto e largo na quebra da próxima esquina. E a  ausência se faz insidiosamente, como um caruncho que nos vai , lentamente, roendo as fibras da nossa alma.  A saudade, no entanto, esmaece um pouco quando vemos diante de nós um outro irmão que sofre, uma injustiça que precisa de luta para ser corrigida,  uma caridade que necessita transformar-se, urgentemente, em justiça social.  Marinila, como por encanto, chega então com o seu sorriso e sua meiguice de outrora, junta-se a nós no Amor sagrado, na comunhão universal do eterno Bem.

Crato, 16/04/15     

                                         

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Os elos de uma só cadeia




“Presa nos elos de uma só cadeia,
A multidão faminta cambaleia,
E chora e dança ali!
Um de raiva delira, outro enlouquece,
Outro, que martírios embrutece,
Cantando, geme e ri!
No entanto o capitão manda a manobra,
E após fitando o céu que se desdobra,
Tão puro sobre o mar,
Diz do fumo entre os densos nevoeiros:
"Vibrai rijo o chicote, marinheiros!
Fazei-os mais dançar!..."

Castro Alves ( “Navio Negreiro”)

                                               O lenga –lenga parece cantiga de grilo : não tem fim. Desde os anos 90 roda,  no Congresso,   Projeto de Emenda Constitucional que busca reduzir a Maioridade Penal no Brasil. Em meio ao tiroteio interminável da nossa violência urbana, com frequentes casos de menores envolvidos em delitos, a grande Mídia – reflexo das classes mais privilegiadas do país que lhe patrocina—tem levado a maior parte da população ( mais de 80%)  a crer nesta medida como fundamental para a atenuação da nossa violência urbana. Recentemente a Comissão de Constituição e Justiça apreciou a PEC 171/93, apresentada pela Frente Parlamentar de Segurança Pública, vulgarmente conhecida como  Bancada da Bala, e a proposta foi aprovada por mais de 70% dos votos. Deve agora seguir os trâmites legais e ir, depois, à  votação  na Câmara e no Senado.
                            Nado contra a maré mais uma vez.  Acredito que a Emenda, se aprovada, não só não atenuará o problema, como tende a piorá-lo. Continuaremos  matando algumas formigas na boca do formigueiro, imaginando que assim solucionaremos o problema da saúva no milharal. E as razões que me levam a pensar assim são transparentes. Primeiro , as estatísticas mostram que apenas uma fatia mínima dos jovens , algo em torno de 0,5%, comete delitos. Estes, na sua maioria , são pobres, pouco alfabetizados, negros e residem em áreas em que o Estado sempre se mostrou profundamente omisso. Eles são , na verdade, vítimas do sistema perverso onde estão metidos e não agentes da violência das ruas.  Punir apenas, isenta totalmente o Estado da sua culpabilidade e estaremos, mais uma vez,  mexendo apenas nos efeitos e colocando no baú as causas.  Além de tudo, se resolvesse cadeia para criança, o problema estaria , de longe, resolvido. Temos uma Pena de Morte tácita nas ruas para os menores infratores. Nos últimos vinte anos,  os homicídios de crianças e adolescentes cresceram 350%,  só em 2010, foram assassinadas 24 crianças e adolescentes a cada dia.  
                            Aplicada a nova Maioridade Penal, os presídios,  já perversamente abarrotados, se encherão , agora, de crianças, sujeitas a todo tipo de agressão. Já possuímos a quarta maior população carcerária do mundo.  Delinquentes menores se matricularão, automaticamente, em verdadeiras universidades do crime . Os presídios brasileiros têm uma vergonhosa taxa de reincidência de 70% e a do sistema socioeducativo aplicado, com toda falha desse mundo, não chega a reincidência a 20%. Aprovada a PEC, feriremos , de morte, o Estatuto da Criança e do Adolescente e mais : a Emenda parece de todo inconstitucional. Além de tudo, para nós que nos preocupamos tanto  com a imagem do país no exterior, estaremos agredindo acordos internacionais importantes como  a Convenção sobre os Direitos da Criança e do Adolescente da Organização das Nações Unidas (ONU) e a Declaração Internacional dos Direitos da Criança compromissos assinados pelo Brasil. Por outro lado, a elite brasileira que tanto se preocupa em copiar modelos estrangeiros precisa saber que das 57 Legislações internacionais existentes sobre Maioridade Penal, apenas 17 preconizam maioridade abaixo de 18 anos, ou seja a minoria de tão-somente 29%. Os índices de delitos entre jovens no Brasil de 10%, por outro lado, estão abaixo da média mundial  que é de 11,6%.
                            A aprovação da PEC 171/93, assim, não é só inócua, como perigosa e irresponsável. A chave para minorar a delinquência juvenil no país está na Educação e não na punibilidade. O Estado precisa  olhar para todos e não tratar alguns como filhinhos do papai e os outros como enteados. É preciso , sim, continuar na luta contra a desigualdade social. As vozes que hoje se levantam  a favor da diminuição da Maioridade Penal  são a reencarnação daquelas mesmas que um dia se puseram contra o fim da Escravidão e  a favor do genocídio de Canudos e do bombardeio do Caldeirão.  Elas continuam hasteando os mastros dos seus Navios Negreiros e reerguendo seus Pelourinhos pelas praças deste país.


Crato, 02 de Abril de 2015

quarta-feira, 25 de março de 2015

Lançamento Poesias Completas de Geraldo Urano

Imperdível !
Domingo
Dia 29 de Março - 19:30 H
Instituto Cultural do Cariri


segunda-feira, 16 de março de 2015

As últimas escaramuças de Malvino Dié

Malvino Dié não podia ser considerado um típico  modelo de militar reformado. Calmo, tranquilo, pouco dado a arroubos e explosões, quase nunca se postando como senhor único da verdade, ele demonstrava ter convivido mais em mesquitas do  que em casernas. O quartel também não o modelara como um direitista convicto destes que defendem a pena de morte, que acreditam que bandido bom só se encontra nos campos santos, que comunista  é praga que existe em tudo quanto é biboca. Dié fazia parte de uma raríssima espécie de milicos com pensamento francamente esquerdista, renegava os Anos de Chumbo e tinha o Capitão Lamarca como seu ídolo maior. Sabiam muitos que tinha sido heroi de guerra, ex-combatente enfrentara nazistas e fascistas com um denodo infernal. Ali foi carregando não um patriotismo barato e imediatista, sabia que estava ajudando não ao seu país, mas livrando a humanidade de suas ervas daninhas. Mesmo assim, Major Malvino não contava vantagem, nem falava nunca  do alto dos seus galões e da sua patente. Talvez, por isso mesmo, fosse muito querido e respeitado em toda Matozinho.
                                   Após a aposentadoria, Dié resolveu retornar à sua terra. Rodara quase todo o Brasil no exercício da profissão. Cansara de tanto arrumar mala e decidiu terminar o sonho no mesmo lugar onde um dia o começou.  Para ajudar o tempo passar e , para não enferrujar definitivamente a garrucha, passou a ensinar Educação Física no Ginásio Espiridião Carqueja e a fazer frequentes corridas solitárias como fundista. Mesmo já adentrando os oitenta, costumava vencer garotos imberbes e viris,  nas competições.  Tudo isso fazia de Malvino um personagem  mítico na vila e, antes de tudo, uma espécie de conselheiro oficial de Matozinho. Quase todos admiravam sua educação, sua fineza de trato, seu passado glorioso e, também, sua franqueza incisiva e carrascante. Apesar da tranquilidade , da calma, Dié não tinha meias palavras : elas saíam lentamente da sua boca, mas com força de bala dum-dum.
                                   Eram muitas e muitas as histórias em Matozinho onde o Major fora chamado a dar sua opinião e o fizera com sapiência, encerrando ali discussões que se prolongavam às vezes por dias e meses. Consta nos anais da vila que, diante da crescente violência dos dias modernos, discutia-se, na praça, sobre as causas maiores desta realidade. Alguns teimavam que as religiões eram o maior motor das guerras, outros imputavam a violência às difíceis condições econômicas de boa parte da população, outros à pouca efetividade da polícia e da justiça. Dié  ia chegando na praça da matriz quando alguém da conferência em que se discutia esse assunto resolveu passar a pergunta ao Major:
                                   --- Major, se má pregunto, quais são as coisas nesse mundo que, na sua opinião,  mais terminam em  crimes, arranca-rabos  e confusões ?
                                   Malvino sem pestanejou:
                                   --- Dinheiro, rola, cu e priquito !
                                   Alguns dias atrás, Cunegundes Chinxorro, um antigo delegado de Matozinho, resolveu pedir a opinião do nosso Ouvidor Geral, sobre um problema que estava vivendo. Enviuvara há uns dois anos, vivia sozinho, com os filhos todos em São Paulo. Arranjara, ultimamente, uma noiva bem mais nova , comentava-se , à sorrelfa, que a paixão da mocinha tinha  menos a ver com Motel e mais com  Pensão. O certo é que o velho delegado criara alma nova, andava escamurçando , vestindo roupa da moda, pintando o bigode e o cabelo e , segundo se comentava, virara um nobre : tinha sangue azul de tanto tomar umas pílulas de botica que ressuscitavam até defunto mal cheiroso. O certo é que pessoas mais próximas alertaram Cunegundes do possível golpe, mas  ele, que já rejuvenescera mais de trinta anos, desde que conhecera a moça, não quis acreditar naquelas potocas. Estavam é com inveja do capim novo que o velho pangaré conseguira. De qualquer maneira, pelo sim-pelo-não , teve a ideia de consultar o amigo  Malvino, antigo colega do Tiro de Guerra. Procurou-o em casa e o pôs a par da situação e pediu seu sincero parecer sobre o caso. Como  sempre, Dié foi bastante objetivo:
                                   --- Cunegundes, quantos anos o amigo tem ?
                                   --- Interei 84 , mês passado ! Nós somos contemporâneos, Malvino !
                                   --- E a noiva, meu amigo ? Quantas primaveras já viu ?
                                   --- Dezesseis ! É uma florzinha de jasmim, meu amigo ! uma lindeza !
                                   Dié, então, pensou um pouco, olhos fixos na parede e fechou o relatório:
                                   --- Não vai dá certo , não ! Você, Cunegundes, vai botar um motor de uma Ferrari Fórmula I, num  Ford Bigode 1921 ! Vai ser caco de peça pra tudo quanto é lado, meu amigo !
                                   Cunegundes, meio desolado, tentou argumentar de lá. Tinha oitenta e quatro, mas não estava de se jogar às traças. Ainda estava bem conservado, não se trocava por um menino de quinze anos . Fora criado com cuscuz e caldo de mocotó e não com galinha de granja, como esses frangotes de hoje em dia. E por aí vai. O Conselheiro, por fim, pôs ponto final à discussão com uma de suas parábolas usuais:
                                   ---  Você é que sabe, Cunegundes ! A testa é sua ! Mas ,depois,  não diga que não avisei ! Ela dezesseis e você oitenta e quatro, sabe o que é isso , meu amigo ? Orelha de boi ! Orelha de boi !
                                   Chinxorro, com cara de menino abestalhado tentando entender a Teoria da Relatividade, mostrou-se confuso :
                                   --- Orelha de Boi ? Qué que isso qué dizer Malvino ?
                                   --- Você tá muito mais perto do chifre do que da virilha dela , entendeu , seu Cunegundes ?


Crato, 16/03/2015

quinta-feira, 5 de março de 2015

Duas covas

J. Flávio Vieira

“A justiça é a vingança do homem em sociedade,
 como a vingança é a justiça do homem
 em estado selvagem.”
Epicuro                   
                                               Nestes dias que antecederam o Carnaval, um fato algo inusitado preencheu os nossos noticiários locais. Um dentista e estudante de Medicina aqui em Juazeiro, após ser assaltado próximo a um bar na Lagoa Seca, por dois motoqueiros, acelerou sua Hylux e, pouco mais à frente, atropelou e matou os dois pretensos assaltantes. Feito o que, calmamente, esperou a chegada da polícia e explicou, sem nenhum constrangimento aparente, o ato heroico que terminara de executar. Foi preso, imediatamente, em fragrante delito, por duplo homicídio confessadamente doloso.

                                   Até aí, a história parece não ter muitas circunvoluções. Qualquer um de nós, posto em situação similar, seria capaz, por impulso,  de providenciar uma ação parecida. Há, em todos , aquele instinto de defesa, quase reflexo, e é sempre impossível a gente saber como se comportaria se colocado em iguais condições de temperatura e pressão. O mais impressionante e sintomático foi a imediata reação da população nas Redes Sociais, apoiando abertamente a coragem do estudante e o alçando à categoria de herói. “É dessa maneira que se deve proceder com bandido!”, gritavam alguns. “Bandido bom é bandido morto”, teclavam outros. “Agora só falta mesmo vir aquela turminha dos direitos humanos que só defende salafrários”, sussurravam muitos. Organizou-se até uma passeata em defesa do dentista detido e o certo é que, mesmo diante do fragrante, ele terminou solto, poucos dias depois,  e vai responder em liberdade.
                                   O caso, não de todo estranho e talvez até perfeitamente esperado nos seus desdobramentos, nos impulsiona para algumas reflexões de final de semana. Depreendemos dele, claramente, uma total    desconfiança do populacho para com a Justiça do seu país. As penas parecem sempre brandas e com progressão vergonhosa; a morosidade nos julgamentos e penalidades é de fazer sorrirem as tartarugas; cadeia é sempre dependência de pobres , negros e mulatos; a boa condição econômica torna malfeitores totalmente blindados para o Código Penal. Basta ver a tranquilidade do estudante depois do atropelamento e morte dos dois assaltantes. Ficou ali impassível, certo que havia cometido um ato épico , esperando os encômios de todos, que, aliás,  não tardaram de pulular na imprensa e Redes Sociais. Contou à polícia tudo , informando que depois do assalto perseguira os criminosos e os atropelara intencionalmente. Acreditou, piamente, que a justiça, por fim, havia sido feita; o que não teria acontecido se esperasse os policiais, os investigadores e o juiz. Quando lhe deram ordem de prisão, com certeza ficou confuso, não entendendo aquela inversão de valores absurda.
                                   Não sou advogado , mas percebo a enrascada jurídica em que nosso estudante se meteu ao confessar um duplo homicídio doloso  com confessa  intenção de matar. Além de tudo, como revanche de um assalto anterior cometido pelas vítimas que ele relata, mas de que não há aparentemente testemunhas e nem foi registrado Boletim de Ocorrência. Por conta de algum dinheiro e objetos afanados, vai ser achacado por ações penais sérias e de danos morais, de defesa complicada- quem viver, verá !
                                   Entendo o desencanto da população com os sempre morosos caminhos da justiça. Mas, em pleno Século XXI, é impossível  defender que as pessoas saiam no meio da rua fazendo justiça com as próprias mãos. A luta da Sociedade, se desolada com a ineficiência do judiciário, deve ser no sentido de aperfeiçoá-lo e não retornar às Cavernas, deixando que os Códigos Civil e Penal sejam escritos e reescritos dia a dia por cada um que se queira arvorar de juiz.
                                   Por outro lado, imaginem o risco que, estatisticamente, o estudante correu, ao reagir ao assalto. A probabilidade de êxito, tem se mostrado, a todo momento, é mínima. Depois, em se tornando esta prática uma regra dos cidadãos a partir daqui, como estimulam os internautas nos seus comentários, a reação previsível dos bandidos, nas próximas “paradas”, será de roubar e matar logo, para não sofrerem perseguições. Vacilão bom, vai ser vacilão morto. As pessoas que defendem os Direitos Humanos querem , tão-somente, que todos sejam julgados à luz da lei e que era seja igualitária para todos independentemente de cor, sexo, influência política, poderio econômico.   
                                   Podemos todos achar que a Justiça além de cega, está com os pratos da balança tortos e o fio da espada também cego, como dizia Millôr.  Temos, ao menos, por onde começar. Nossa função é providenciar-lhe a cirurgia de catarata , mandar aferir-lhe a balança e amolar o fio da espada. Quem toma para si a missão única de combater monstros deve cuidar para não se tornar um deles . Alerta a sabedoria chinesa   que quem embarcar para a vingança deve cavar duas covas.

Crato, 05/03/15

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Os Muros da Cidade Alta


J. FLÁVIO VIEIRA

                                           Findo o período momino, o Governador da Bahia,  Rui Costa ,  debruçando-se sobre os crescentes índices de violência no Carnaval, chegou a uma conclusão polêmica : a separação dos foliões que pagam dos que não pagam, por cordas, nos trios elétricos, é o principal motor das cenas de agressividade. “Quanto menos cordas, menos violência teremos no Carnaval”, fechou o governador em entrevista.
   
                                   Dias antes, um dos maiores compositores brasileiros, Gilberto Gil, dono de um camarote exclusivíssimo no Circuito Barra-Ondina, citou uma frase não menos polêmica, ao ser perguntado sobre o esgotamento daquela modalidade de Carnaval baiano, extremamente industrializado. Gil disse que sempre foi assim no Brasil : As elites nos camarotes assistindo ao povo brincando e se divertindo na avenida. Para ele, essa modalidade de festa à baiana só cresce por conta da tecnologia e dos negócios. A tendência seria, neste oásis da classe rica que são os camarotes, acontecerem festas específicas outras, enquanto na rua, rolaria o carnaval propriamente dito. As duas frases me parecem perfeitas para uma reflexãozinha, neste período quando sacudimos os confetes e serpentinas e deslanchamos o início real de 2015.
                                   O Carnaval, desde seus primórdios, teve sua força no potencial anárquico que carregava consigo. De repente, o mundo virava de ponta cabeça : homens se vestiam de mulher; escravos esguichavam água nos amos; amores ganhavam a eternidade de  quatro dias; maridos escapavam à sorrelfa a despeito da vigilância das esposas. Charangas, blocos de sujos ganhavam a rua e  cada um  se travestia , de repente, dos seus desejos mais íntimos, banhados numa certa cortina de anonimato. A irreverência da festança caiu no gosto dos brasileiros e o Carnaval foi tomando um vulto inesperado, principalmente em alguns polos que se foram tornando mais tradicionais : Rio de Janeiro, Salvador e Recife.
                                    O Mercado, o deus dos dias atuais, rapidamente percebeu que existia ali uma enorme possibilidade de lucro. Só que numa festa tão anárquica era preciso colocar regras fixas para poder cobrar o ingresso. Aí vieram os cordões de isolamento, os camarotes exclusivos, o desfile fechado dos blocos na Sapucaí, a venda de fantasias e adereços, os bailes mominos  em clubes. O Rio de Janeiro terminou por acabar com seu invejável e vultoso carnaval de rua, resumiu-o a um mero espetáculo de arquibancada. As Marchinhas picantes e bem humoradas de outrora foram substituídas pela monotonia de Sambas-Enredos repetitivos e chatos.   Só nos últimos anos, o Rio  vem tentando correr atrás do prejuízo com “A Banda de Ipanema”, o “Monobloco” e outros tantos que tais.
                                   Salvador, que começou com o sonho de Dodô-Armandinho-Osmar,  industrializou seu Carnaval, com seus trio-elétricos fechados por cordão de isolamento e os foliões todos com seus abadás uniformizados e seus camarotes todos caríssimos. O povão ,se quiser brincar, fica de “pipoca” do lado de fora, sujeito aos safanões e aos descuidistas . Talvez muitos dos trombadinhas  contratados pelos mesmos blocos para forçar os pipoqueiros a comprarem seu ingresso nos próximos carnavais. A Axé Music, monocórdica, depois de trinta anos espatifando tímpanos, perdeu fôlego e percebe-se, claramente, que já não traz o fervor e a alegria dos velhos tempos. O formato do Carnaval de Salvador parece estar em pleno declínio.
                                   Restou Recife que mantém a tradição do Carnaval de Rua, com seu frevo que carrega uma bagagem lúdica de mais de um século e sua dança esfuziante e malabarística. Não há cordões de isolamento nos blocos, as fantasias são simples e perfeitamente criativas e não existe apartheid. Todos estão juntos na avenida. Há 25 anos acompanho o Carnaval de Olinda e Recife e conto nos dedos as brigas que presenciei. O “Galo da Madrugada” que arrasta mais de um milhão de foliões de todas as classes sociais dá , anualmente, um exemplo de como é possível juntar tantos , mesmo sob o poder do álcool, alegres, irmanados e tolerantes.
                                   A citação de Rui Costa, assim, me parece perfeita. Vivemos em uma sociedade de castas, apesar de propalarmos a beleza da nossa miscigenação. Os bacanas não querem se misturar com o povaréu. Infelizmente, um dia esses conjuntos têm alguma intersecção. Não dá para morrer de fome quieto  no morro, vendo o vizinho logo abaixo comendo caviar. O Cordão de Isolamento faz com que essas diferenças surjam claras e translúcidas : dentro da corda os cidadãos, fora da corda, a corja.
                                   A frase de Gil, com todo respeito que tenho ao meu compositor brasileiro preferido, me parece muito infeliz. Primeiramente, passa essa separação como uma coisa natural. Os ricos nos camarotes e a pobreza na rua. E mais , transparece uma tendência de imutabilidade: sempre foi assim, meu povo, nunca vai mudar! Por outro lado, Gil esquece que não foi bem isso que aconteceu no Carnaval de Salvador. A Elite já não se conforma em ficar no camarote, ela invadiu a avenida, impermeabilizando-se pelas cordas do blocos  e não permite mais ao povão brincar: “Xô, carniça ! O Carnaval, agora, é privilégio dos bacanas!” Gil que  um dia já morou na Cidade Baixa, deveria lembrar-se como é difícil a vida para quem quer ir à Cidade Alta e  não lhe dão acesso ao Elevador Lacerda.  
                                   Felizmente, essas fórmulas industriais de Carnaval parecem estar se exaurindo. Organizar uma festa anárquica por natureza é, simplesmente, arrancar-lhe a essência. Depois, os festins da Elite são contidos, cheio de regras, seguranças e arrebites extracurriculares. Um dia ruirão todas os camarotes, os trios sairão dos caminhões e virão para rua, as cordas se esfacelarão e todos serão exatamente iguais:  partilhando a alegria, a dança e o milagre da vida.

Crato, 24/02/15

                                   

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Selfie

                J. Flávio Vieira

                               Todo verão, amigos,  --não se enganem não !—lá se vem uma moda nova. Tivemos uma infinidade delas que se alternaram na mesma regularidade das estações. Já vieram:  o Walkman, o Celular, a máquina digital, o smartphone que, de alguma maneira, terminou por fundir muitas outras funções. Com ele, chegou uma das mungangas mais incríveis desses tempos : os selfies. O cabra bate selfie com o defunto no cemitério;  ensanguentado no acidente que acabou de sofrer; com a namorada na cama depois do venha-ver. E, mais que tudo! Manda imediatamente para as redes sociais, pois já não existe vida possível fora da virtualidade. Sem se mostrar para os outros, não é possível sobreviver.  Cada uma dessas invenções trazem, consigo, a ideia de ascensão social. Não ter no verão uma dessas estrovengas , remete, imediatamente, o sujeito  para a base da pirâmide e , de lá, não dá para ver o sol e nem se deleitar com a sombra. Claro que, em pouco, as feiras populares, fervilhantes vão se apropriando dessas modas , com produtos alternativos, para que o povaréu não fique na pior e possa também, de esguelha, bicorar um pouco desse paraíso de consumo. Quando a classe privilegiada descobre que o filho da empregada já possui a última novidade, a moda , imediatamente, é sustada e se inventa outra.  O ciclo, como um moto-contínuo,  se vai repetindo. 
                         A moca desse verão, por incrível que possa parecer,  é o tal do “Pau de Selfie”.  Talvez o leitor já tenha visto este penduricalho por aí. O sujeito usa um suporte para agarrar o Smartphone , dando uma certa distância, e facilitando o enquadramento, ao abrir mais o ângulo da selfie a ser tirada. As praias, os pontos turísticos se encheram destes “paus”, nestas férias, dava para se fazer uma apresentação de “Maneiro-pau”, se Mestre Cirilo topasse a brincadeira. Imaginem a dificuldade de carregar um trambolho desses, nas viagens, junto com uma infinidade de outras quinquilharias. Na Chapada Diamantina, um dos mais bonitos espetáculos , o pôr-do-sol visto do Morro do Pai-Inácio. Lá se postam inúmeros turistas , cada qual com o seu pau-de-selfie ( felizes, impávidos e orgulhosos com o novo aparelho), filmando o espetáculo e  privando-se, assim,  de assistir a ele. Vale mais o registro e, principalmente, a possibilidade de mostrar aos outros o vídeo, depois. A beleza do crepúsculo não interessa, degustá-lo, calmamente, nem pensar ! Nada de beber o Champanhe ! Vamos é mostrar aos amigos o rótulo do Moet-Chandon ! Freud diria, quem sabe, observando o brilho incandescente nos olhos dos pausistas,  que o pau-de-selfie, é um símbolo fálico, imprimindo aos seus proprietários um poder viril avassalador e inusitado.
                        Dizem os pausistas, justificando a aquisição, que a importância do  pau-de-selfie seria se bater a foto sem precisar incomodar ninguém. Se se refletir um pouco, veremos que a própria Selfie vai além do simples narcisismo. Há , por trás do retrato tirada por mim mesmo, uma certa dose de individualismo: eu sou eu e não preciso de ninguém! O pau de Selfie é, apenas, um aperfeiçoamento dessa arrumação. Houve um tempo, em que, nas viagens, as pessoas , solicitamente, pediam para os companheiros baterem suas fotos e retribuíam o favor, tirando a de outras pessoas e outros casais. Quantas amizades não começaram nestes simples contatos? Quantas paqueras não se encetaram, motivadas pelas fotografias que se iam alternando ? Se se reparar bem, esse individualismo tem sido um dos sintomas mais fortes dos tempos em que vivemos. As pessoas fogem dos relacionamentos como  o satanás da água benta. Amizades já não se fazem entre companheiros de trabalhos ou colegas de classe, até, porque, já não são colegas, mas concorrentes. As pessoas preferem, cada vez mais, os encontros ocasionais às relações mais sólidas. Casais já não querem filhos sob o pretexto que dá muito trabalho, atrapalha a vida pessoal e , economicamente, é um investimento muito desfavorável.
                                    As cidades, assim, parecem ter uma população muito grande, mas , na verdade, têm encolhido dia após dia, vêm se tornando desertas, simplesmente porque cada um dos seus habitantes deixou de viver na megalópole e passou a habitar no seu próprio mundo. Os habitantes de São Paulo cabem numa selfie.  Claro que existe uma praça gigantesca onde periodicamente muitos se encontram : as Redes Sociais. Essa encontro asséptico, no entanto, evita o toque, o olho-no-olho, o beijo, o abraço e, talvez, por isso mesmo, tenha se tornado tão importante e desejado. Dá a falsa impressão de que não estamos sós no mundo, que temos mais de dois mil amigos que nos curtem  e que, assim, a solidão não nos baterá à porta.

                                   O problema é que as grandes questões do planeta precisam cada vez mais do diálogo, da dissolução de diferenças seculares entre os homens, da conversa, da compreensão e da visão holística. Nosso barco está à deriva e cada um dos tripulantes mete a cabeça no buraco, como avestruz, acreditando que o iceberg que está logo à frente não lhe diz respeito. Antes do impacto final estarão todos no convés , com seus pau-de-selfie para registrar o fabuloso naufrágio do  Titanic.

09/05/15