quinta-feira, 2 de julho de 2015

O Prisma





                                             Na Sexta-feira última, a Suprema Corte dos Estados Unidos legalizou o Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Na prática, os cinquenta estados federados , agora, não mais poderão se negar a consolidar uniões com base apenas na heterossexualidade. A questão do Matrimônio Gay se arrastava há muitos e muitos anos. Desde 1996, havia Lei Federal, emitida pelo então presidente Bill Clinton,  que proibia  esse tipo de união. A partir daí, no entanto, vários estados americanos foram, pouco a pouco , com base em suas Constituições Estaduais, quebrando o veto da Lei de Clinton e emitindo licenças para casamento. Quando da votação histórica , já trinta e seis estados tinham avançado neste sentido, restando apenas quatorze que ainda se mantinham  irredutíveis. Na última sexta feira, por fim, os juízes da Suprema Corte tiveram que decidir se os Estados americanos tinham ou não a obrigação constitucional de emitir as licenças de casamento para casais do mesmo sexo e, mais, reconhecer as uniões feitas nos outros estados da federação. Finalmente, depois de uma longa queda de braços, a bandeira multicolorida terminou hasteada festivamente nos mais recônditos locais dos EUA. A decisão da Suprema Corte, é bom que se entenda, não só permite um ato simbólico de casamento entre pessoas do mesmo sexo, mas estende os benefícios sociais e pensões públicas aos parceiros dessas uniões.
 
                                   A decisão do último fim de semana já nem parece tão polêmica aqui no Brasil. Nos últimos anos, a questão, entre nós, já parece totalmente sobrepujada. Nossos tribunais já têm clara orientação de proceder aos enlaces independentemente de sexo. Aos poucos , como é de se esperar, as solenidades vão ficando perfeitamente naturais. Quem hoje ainda lembra da polêmica questão do Divórcio, que acalentou fervorosas discussões no Brasil nos Anos 70 ? Hoje é um ato tão simples e corriqueiro como o matrimônio. A Libertação dos Escravos movimentou toda a Sociedade Brasileira no final do Século XIX em times a favor e contra. Hoje tentamos, todos, nos esquecer daquela violência institucionalizada. Como sempre, as Lei vêm sempre a reboque do curso natural dos comportamentos e costumes.
                                   Talvez o mais chocante na decisão da Suprema Corte  more na constatação de  como um país de primeiro mundo como os EUA, a mais importante Economia do planeta, tenha demorado tanto para tomar uma decisão tão importante e libertária. Como um país tão avançado e aparentemente liberal nos seus costumes permaneceu cego durante tanto tempo ? Como fechar os olhos para a realidade cristalina à nossa frente? A família deixou de ser aquele idílico núcleo de pai-mãe-filhos. Hoje as possibilidades são infinitas : mãe-mãe-filhos, pai-pai-filhos, avó-avó-filhos-netos, mãe-sozinha, pai-sozinho, mãe-doador de sêmen-filhos, pai-mãe-barriga de aluguel-filhos, doador de sêmen-barriga de aluguel-filhos-pai adotivo ... Como compreender, assim, que um casal de gays,  vivendo muitos e muitos anos juntos, construindo todo um patrimônio a quatro mãos, com a simples separação do casal, uma parte seja totalmente prejudicada, sem qualquer intervenção possível do Estado ? E em caso de morte de um dos cônjuges,  onde estará a justiça para fazer o viúvo/viúva herdeiro, com direito à pensão do seu parceiro ? Qualquer um dia nós pode carregar sua carga de preconceitos, suas pessoais interpretações religiosas, mas o Estado deve ser um juiz totalmente imune a quaisquer tipos de preconceitos e, mais que tudo, laico.
                                   O utilitarista Stuart Mill dizia, com propriedade, que apenas uma coisa justificaria a criação de uma Lei: impedir que minha liberdade fira a liberdade dos outros. A justiça , assim, não tem jurisdição sobre o  banheiro, a alcova, os hábitos de vida, os desejos de qualquer cidadão desse planeta. A ninguém deve interessa o caminho que qualquer um tome, com quem cruze na sua viagem, desde que não se atropele ninguém no percurso  : cada um de nós determina o sentido e a direção da própria vida. O Estado deve apenas estar, a todo instante, do nosso lado,  nos amparando  e auxiliando  no itinerário. Em tempos de tamanha violência, de tanto individualismo, que o Amor floresça como rosa, como lírio, como cacto !
                                   De qualquer maneira, a sentença da Suprema Corte  traz consigo um simbolismo  imperecível.  Os grilhões do conservadorismo terminam sempre quebrados pela gazua da modernidade. Desde sexta-feira última, o mundo ficou mais respirável. Ante a luz ofuscante do passado opressivo insinuou-se o prisma do novo e refez-se o milagre da refração com o Arco-Íris pintando o mundo de esperança.


Crato, 02/07/15

sexta-feira, 26 de junho de 2015

A Columbia explode na Rua do Amparo

Golvino Cetrônio acreditou, piamente, nos pés do padre, que aquela cláusula de Eternidade , escrita sorrateiramente no seu contrato nupcial, era perfeitamente factível.  O carrinho de rolimã do seu desejo havia derrapado nas curvas sinuosas de Abertiza, uma morena com trinta palmos de frente e uns noventa de fundo. Os amigos todos até lhe alertaram que aquilo era terra demais para seu caminhãozinho, mas Golvino fincou pé:
                                   --- Mulher e prejuízo só servem  grandes ! Se não der pra carregar a terra toda de uma vez, levo nem que seja em trinta viagens !
                                   O certo é que Cetrônio aceitou a empreita, até mesmo porque descobriu,  ali junto do altar, que tinha até à morte para transportar aquela montanha de terra que o destino acabava de lhe ofertar.  O caminhãozinho três quartos de Golvino aguentou firme o transporte por mais de trinta anos. Depois disso, começou a ficar ronceiro, a saltar de marcha, a encharcar , até bater o pino. Descobriu, então,  que seria impossível cumprir o trato. Abertiza que já era enorme , dobrou de volume e, a montanha que recebera um dia para carreto, se transformara num Everest. Resolveu dissolver o combinemos  feito um dia no pé do vigário, as cláusulas tinham se transformado em clausuras. Pensou que desfazer o acordo seria tão fácil como assinar aquele livro grande do Cartório . Qual nada!  Só então percebeu a necessidade de tantas testemunhas. Teve que vender os teréns e pagar a indenização a D. Abertiza.
                                   Golvino, apesar de depenado, imaginou que fizera um bom negócio. Saíra mais leve no bolso, mas também na alma.  Beirava os cinquenta, aquela idade em que já não existem mais tantos cartuchos na cartucheira  e muitas das balas restantes ainda  são de festim. Sem freio de mão, o caminhãozinho de Cedrônio saiu dispinguelado, ladeira abaixo. Atropelou boa parte das amigas de Abertiza, as colegas de trabalho da “Sapataria Pé Lustroso”  e as clientes mais atiradas. Construiu , pouco a pouco, um harém particular. Com o passar do tempo, no entanto, começou a enfastiar de tanta liberdade. Os relacionamentos, todos superficiais, de lingeries nas cadeiras e não no guarda-roupas,  já não preenchiam  o vazio da sua alma. Todo mundo precisa de alguém com quem possa contar além da cama redonda do Motel.
                                   Eis que Golvino percebeu que o caminhãozinho andava em círculos e tornara ao mesmo ponto onde um dia começara. Precisava de alguém para dividir as angústias e os prazeres, até porque, a balança, com a idade, tendia a pesar mais no primeiro prato.  A retomada da Bastilha não parecia tarefa fácil. Lembrou do velório do casamento anterior e sentiu calafrios. Ia começar tudo de novo ? Como suportar a putrefação do relacionamento e suas incontáveis exumações ? Além de tudo, como encontrar a noiva ideal ? As da sua geração estavam fora de prazo de validade e as mocinhas traziam seu frescor,  mas junto viriam as Bandas de Forró, os Cantores Sertanejos, as Baladas, as Paredões. Além de tudo,  tinha a quase impossibilidade de degustar sozinho o banquete e aquele risco  de  ficar a testa  como casca de jaca.
                                   Pensou, então, nas namoradas antigas, aqueles que vieram antes do casamento. Nunca, na vida, a paixão arde com aquele furor da adolescência. Talvez porque o tanque de combustível esteja cheio, pela tampa. Ademais, aqueles namoros , em geral, ficaram pelo caminho, longe das vias de fato, deixando um gostinho de quero-mais inalcançável. E foi aí que, um dia, posou-lhe na consciência, como um pássaro, a imagem de Sinharinha. Linda, meiga, delicada, tinha sido uma das suas paixões de Colégio. Tímido, se acercara, tentara , por diversas vezes, um namoro, um romance, sem qualquer sucesso. Depois, a vida os afastara. Soube que havia casado com um comerciante importante do Recife e para lá se mudara. Nunca mais seus caminhos se haviam cruzado. Comentou um dia com os amigos a doce lembrança e eles  falaram de um artifício modernoso : as Redes Sociais.  Precisou da ajuda dos universitários para adentrar na nova tecnologia. Analfabeto digital , diante de teclas e botões, parece mosca em Centro Cirúrgico.  Caqueando PC´s e Facebook, deu com o perfil de Sinharinha.   Lá estava diante de uma foto antiga, com aquele mesmo fascínio que um dia o tocara. Dizia-se novamente solteira e viu algumas fotos de dois filhos, já taludos e seguindo voo próprio. Golvino fez também uma página e encimou-a com uma foto dos tempos de colégio. Armada a arapuca, a partir daí,  fez contato e terminaram em conversas longas  in box.  Soube que se separara do comerciante há uns cinco anos e que, há pouco, se aposentara como professora do estado. As conversas foram se tornando quase que diárias e evoluíram para telefonemas. Por fim, Golvino combinou para se encontrarem em Recife, no Carnaval.
                                   Chegou na Veneza Brasileira,  no sábado de Zé Pereira, em meio ao frevo solto pelas ruas .  Acertara o encontro defronte à Bodega do Velho,  em Olinda, à tarde, na Rua do Amparo. Para facilitar a identificação Sinharinha prometeu ir de Colombina e  Golvino, já no clima,  disse, pedindo licença a Noel,  se fantasiaria de Pierrô  Apaixonado. Cetrônio nem conseguiu pregar os olhos pela ansiedade. Na hora de vestir a roupa, no entanto, apareceu um primeiro probleminha. Levara uma fantasia de muitos anos atrás e, simplesmente, não entrou naquele corpo antes de bengala e hoje tendendo  mais a barril. Chateou-se um pouco, mas , com ajuda de um primo, resolveu o impasse. Emprestaram-lhe uma longa e psicodélica  cabeleira  de Caboclo de Lança . Completou o adereço com a indefectível rosa nos lábios e os óculos escuros. Chegando lá , imaginou, daria alguma desculpa  esfarrapada e, certamente, a simples troca do figurino não atrapalharia o script.
                                   Partiu para Olinda com o coração saltando mais que o ônibus nos seus solavancos. Subiu a Ladeira da Boa Hora,  seguiu  a Rua do Amparo e, ao se aproximar da Bodega do Velho, já  percebeu, ao longe, a sua Colombina. À medida que a distância diminuía, no entanto, um sobressalto lhe foi invadindo o espírito. Aquela era Sinharinha ? Balofa, bochechuda, cabelos grisalhos, no rosto não pés-de-galinha, mas todo o galinheiro?  Que acontecera com a menina que um dia conhecera ? Caíra de um avião? Sobrevivera a Colombina à explosão da Columbia ? Por sua vez, Sinharinha, algo enfastiada, vendo a passagem do Caboclo de Lança, pensou consigo:
                                   --- Meu Deus ! Será que Golvino não chega ! Anda aparecendo cada assombração nessa Rua do Amparo ! Isso não é um Caboclo de Lança, mas um Caboclo de Pança ! Xô Satanás !
                                   Golvino ainda pensou em  se identificar. De repente , gelou ! O que ela vai pensar de mim ? Vai ter a mesma decepção ? Era melhor ficar a lembrança  dos tempos passados, pensou nosso Pierrô , agora  mais decepcionado que apaixonado. Que fiquem o Golvino e a Sinharinha do perfil da Rede Social !  Preferiu seguir em frente, como um filho que resolve não comparecer ao velório do pai, para manter na memória um retrato vívido e fulgente , ao invés da máscara mortuária.


Crato, 26/06/15 

sexta-feira, 19 de junho de 2015

O Profeta Apoquetílico

                                            

   Robledo Ipueira terminou eleito, em Matozinho, com uma votação recorde. O poder político até então se alternava entre dois grupos acirradamente inimigos : Os Cangatis e os Carrapatos. De início, ninguém imaginou que a regra pudesse ser um dia estilhaçada. Robledo nem matozense era. Chegara por ali há pouco mais de dez anos e se meteu no ramo de mandioca, produzindo farinha, goma e beiju. Os negócios prosperaram , impulsionados por seguidos anos de invernos fartos. De conversa fácil e traquejo no ofício, Ipueira construiu muitos amigos. Toda Matozinho, no entanto, olhou com ceticismo sua candidatura a prefeito da cidade. Parecia fadada congenitamente ao fracasso. Depois de tantos e tantos anos de alternância dos mesmo lobos guarás de sempre, no entanto, os desgastes se vão tornando insuportáveis. A candidatura de Robledo apareceu, assim, como uma novidade tanto que, rapidamente , os Cangatis e Carrapatos se uniram pela primeira vez na história e apresentaram uma chapa concorrente a Ipueira, tendo como candidato Ronivaldo Cangati e , como vice, Garibaldo Carrapato. Se vencedores, claro, rapidamente brigariam, mas o intuito era tirar a possibilidade de um terceiro vir a dividir o bolo político.
                                   Teria sido, uns cinco  antes do período eleitoral,  que por ali aportou um beato de  barbas longas e  níveas como leite mugido. Vestia-se com roupas de saco , sandálias currulepes. Trazia aquele ar de quem não tomou o gardenal todo :  Olhos aboticados e cabelos desgrenhados. Instalou-se, numa palhoça, numa área próxima à subida da Serra da Jurumenha. Chamava-se Apurinã , tinha voz pausada e cavernosa e vivia, em seus sermões, relembrando grandes catástrofes bíblicas e ameaçando os pecadores com as labaredas do inferno e as sete pragas do Egito. O povo, carinhosamente, o chamava de Pai Nanã. Aos poucos, o beato foi acumulando seguidores, principalmente, quando, um belo dia, anunciou o final dos tempos. O mundo acabaria no dia 28 de Outubro de 1999 de um grande terremoto,  seguido de explosões vulcânicas, fogo e, finalmente, os mares invadiriam as terras num novo dilúvio.  Pai Nanã tivera essa visão , num sonho, em que a Virgem lhe aparecera e alertara: O criador, cansado de tantos pecados da humanidade, resolvera deletar o mundo e, talvez, começar de novo tudo, após um upgrade.
                                   O povo de Matozinho, cansado do mesmismo , empurrou a única porta que  viu à frente para fugir daquela enrascada. Robledo terminou eleito com quase 70% dos votos. Assumiu o governo em 1995, para a alegria de todos, transportando um caminhão de esperanças. Votação tão expressiva carregava consigo uma enorme responsabilidade, eram inúmeras  as demandas da cidade, após tantos e tantos anos de “venha a nós e nada a vosso reino”.    Rapidamente, no entanto, o povo de Matozinho descobriu que tinha trocado égua por biroba. Robledo não possuía qualquer tino administrativo. Envolveu-se com secretários piores que ele. Varava o terceiro ano do mandato e não se contava uma obra só de relevância no município. Postos de Saúde fechados, Escolas sem merenda escolar, ruas esburacadas. Ipueira andava escondido, despachava cada dia em um local diferente, temendo as cobranças.  Daí terá vindo talvez  seu apelido : ” Robledo Manipueira”.
                                   O último ano do mandato do nosso edil coincidiu com a terrível profecia de Pai Nanã. Vendo a cidade devastada, os matozenses descobriram outras razões para acreditar no fim do mundo. Os dias que antecederam o fatídico 28 de outubro daquele 1999 foram de intensa agitação na cidade. Todos carregavam um ar de desespero, como se estivessem perpetrando seus últimos atos . Pai Nanã, uma semana antes, conclamou todos a subirem para Serra da Jurumenha. Acreditava que lá em cima, talvez, houvesse ainda alguma chance de escapar do fogo e da inundação.
                                   Matozinho praticamente esvaziou naqueles dias que antecederam à previsão terrível de Pai Nanã. Uma multidão de maltrapilhos se acotovelava em cima da Serra, esperando as horas finais. Choravam, rezavam, se abraçavam. Pai Nanã exortava a todos pedirem perdão dos seus pecados e exercerem entre si  milagre libertário do perdão. O Dia 28  amanheceu  trazendo, já nos seus primeiros raios, claros sinais do apocalipse vindouro. Uma chuva persistente, com trovões de estalo que simulavam os tremores de terra previstos para logo mais.  O clima entre os fiéis era de gado indo para o matadouro. À tarde, porém, a chuva cessou e o céu se abriu. As horas se passaram sem mais atropelos. Quando o dia 29 por fim chegou, sem que nada tivesse acontecido,  trouxe, junto, uma mescla de alívio e desapontamento. Pai Nanã , desconfiado, tentava entender onde teria errado na interpretação da profecia. Começaram todos a descer a serra. Pela trilha íngreme da descida iam se aproximando de uma Matozinho  arrasada, suja, triste e esburacada e, pior, sem vivalma. De repente, Jojó Fubuia que resolvera , pelo sim, pelo não, providenciar seu próprio dilúvio etílico, com a voz tropa como se sofrera um ramo, virou-se para Pai Nanã e disse, olhando para Matozinho que se aproximava :
                                    --- Pai Nanã, fique triste não, homem de Deus , sua profecia tava certa! Você só errou a forma do acabamento do mundo. Num era de fogo nem água não !
                                   -- Como assim ? -- Quis saber, um Nanã cabisbaixo.
                                   O mundo se acabou foi de veneno, Pai Nanã!  De veneno !
                                   --- Veneno ? Que veneno ? Você tá é bêbado, seu Jojó !
                                   Jojó, então, como um profeta apocalíptico ou apoquetílico , lascou :
                                   --- Manipueira, Pai Nanã ! Manipueira foi que acabou o mundo !


Crato, 19/06/15

sexta-feira, 12 de junho de 2015

O último clique da velha Rolleiflex


“A beleza pode ser vista em todas as coisas,
ver e compor a beleza é o que separa
 a simples imagem,  da fotografia”
Matt Hardy

                                              
                     A aquarela caririense esmaeceu esta semana, quando caíram por terra a câmara e o pincel da nossa querida D. Telma Saraiva. Fechou-se, naquele instante, uma gloriosa página da Cultura do Sul do Ceará, quando plainou , a caminho do infinito,  a última pioneira da fotografia na nossa região. D. Telma descendia de uma plêiade de fotógrafos que , por quase cento e cinquenta anos, vinha registrando, meticulosamente, o cotidiano caririense, as mudanças e os impactos nas nossas paisagens exteriores e interiores. Desde Manoel Biserra de Mello , o primeiro fotógrafo itinerante que por aqui aportou em 1886; passando por Luiz Gonzaga Martiniano da Costa que firmou o primeiro ateliê fotográfico da região em 1901; por Pedro Maia, o artista da câmara mais importante  nos anos 20-30, até Júlio Saraiva Leão que entregou  o bastão à filha; somaram-se, sucessivamente,  os nossos cronistas fotográficos em terras de Frei Carlos. Esta semana, por fim, quebrou-se, indelevelmente, o último cálice de cristal da nossa prateleira. Estilhaçou-se o Daguerreótipo e, por incrível que possa parecer, um daguerreotipo colorido.  

                                   D. Telma descendia de uma tradicional família ligada umbilicalmente às artes . Seu Tio, Cesário Leão, fora ator e músico;  Salviano Saraiva , irmão, um dos mais renomados atores caririenses e , depois, o mais importante fotógrafo de estúdio da capital pernambucana. Sem falar em Júlio Saraiva, seu pai, um dos pioneiros da fotografia no Ceará  e um urbanista dos mais inspirados. A Júlio devemos os mais bonitos cartões postais de Crato nas décadas de 40-60.  D. Telma  nasceu neste berço artístico e teve sua vida congenitamente traçada. Dedicou-se, desde cedo, embebida pelo cheiro do colódio e da prata, à fotografia e especializou-se em fotos de estúdio, talvez porque lhe fosse mais fácil conciliar a arte que abraçava quase como predestinação, às  atividades domésticas. E mais, artista plástica intuitiva, descobriu que era possível sim, associar a fotografia à  pintura, com vantagens vultosas. Conseguia dar cores às fotos ( numa época do preto-e-branco) , tirar possíveis incorreções ou defeitos ( uma espécie de photoshop pré-histórico) e  dispensava as longas seções de pose dos modelos imprescindíveis em caso de pinturas. Essa técnica apurada , nos últimos tempos, terminaram por lhe dar renome internacional.
                                   A Fotopintura  havia sido inventada por Disdéri em 1868 e foi introduzida no Brasil por um dos únicos fotógrafos portugueses da nossa história  : Insley Pacheco. Aqui, no Cariri, a técnica fora empregada pela primeira vez pelo fotógrafo itinerante José Ribeiro em 1904. Telma Saraiva aperfeiçoou a técnica original,  montando-se na intuição e  nos novos avanços tecnológicos da arte fotográfica.
                                   Outro pioneirismo da nossa artista foi de gênero. A Fotografia no mundo sempre foi extremamente masculina.  No Brasil, nos primórdios da arte, apenas uma mulher havia se destacado: Henriqueta Harms que montara um ateliê no Rio de Janeiro em 1851. D. Telma Saraiva  teria sido um caso único no nosso estado e deve ser considerada a grande Dama da Fotografia no Ceará.
                                   Pacientemente, entre os cliques e  pincéis, nossa artista bordou um gigantesco painel iconográfico da região. Sua Galeria  não se encontra fechada entre muros : expõe-se no mural da Chapada do Araripe. Suas fotos estão expostas em milhares de lares,  registrando o verdor dos anos e os sorrisos abertos de muitas e muitas gerações. Foi um prisma que, entre nós, obrou o milagre estonteante da refração.  Hoje, depois do último clique da antiga Rolleiflex, o Cariri todo se dá conta de que,  quando D. Telma pintava as fotos de estúdio, transformando sépias em aquarelas , ela não apenas coloria rostos  e faces sorridentes, ela enchia de cores e de brilho a própria história caririense.  


Crato, 12/06/15    

sexta-feira, 5 de junho de 2015

A Bandeira do Pau

    Santo Antonio de Pádua tornou-se um dos  mais populares santos brasileiros. Nascido em Portugal, no Século XII, teria sido contemporâneo de Francisco de Assis e, numa vida missionária,  terminou consagrado como um dos maiores pregadores da Igreja Católica. No Brasil, talvez por conta da sua origem lusitana, terminou por se firmar num dos nossos mais amados santos.   Antonio é invocado em inúmeras situações dramáticas : na infertilidade, nos naufrágios, como protetor das grávidas, dos idosos, dos agricultores, dos amputados, dos animais e tido, no Nordeste, como um verdadeiro elixir contra o celibato.
           
                        Conta o folclore que ele  teria obrado inúmeros milagres,  entre eles  haveria restaurado todo um campo de trigo já maduro que havia sido estropiado por uma multidão que o seguia. Inúmeras cidades brasileiras o tem como padroeiro, entre elas, a nossa aristocrática Barbalha que há quase noventa anos realiza a sua tradicionalíssima Festa do Pau da Bandeira. As festas religiosas brasileiras carregam consigo aquela mescla típica do profano e do sagrado. Talvez por tradicionalmente terem advindo   das festividades pagãs da Idade Média como a Saturnália e as Celebrações de Fertilidade. Assim,  as  novenas e rezas se juntam a rituais pagãos que vão desde a libações alcoólicas ( “A Cachaça do Seu Vigário”), ao uso do pau da bandeira como símbolo fálico, à coreografias  eróticas em torno do prodigioso vergalhão.  A Festa se assemelha às celebrações de fertilidade ainda hoje presentes no Japão como a Hime no Miya e a Hounen Matsuri.
                        O Pau da Bandeira de Barbalha é , indiscutivelmente, uma das mais concorridas e bonitas festas populares do Ceará. Tem crescido de ano a ano, a cidade toda se enfeita e se engalana para a chegada do Santo casamenteiro. Claro que, numa festividade de tamanhas proporções, sempre existem riscos proporcionais ao público  por ela atraído. Este ano, ocorreu a trágica morte  de um dos carregadores do pau , o Sr. Cícero Ricardo, esmagado pelo imenso tronco durante o transporte. Havia já antecedentes de acidentes idênticos, com fraturas expostas em alguns participantes em anos anteriores. Haviam ocorrido, também, outros acidentes fatais com morte em  carregamentos de paus de santos, como em Caririaçu alguns anos atrás.
                        Em nome da tradição, argumenta-se sempre sobre a necessidade imperiosa de manter o script da festa, exatamente como se vem fazendo nos últimos noventa anos. Existem, no entanto, a meu ver, ponderações que precisam ser feitas. Tudo na vida é dinâmico e, se se reparar bem, a festa mudou imensamente durante todos esses anos. Além de tudo, não é justo se manter culturas nocivas sob o simples argumento que Cultura é para ser preservada. Os sacrifícios humanos fizeram parte de muitas civilizações , nem por isso hoje se defende a sua manutenção. Nossos  índios eram em grande parte canibais, essa Cultura deveria ter sido preservada ?  Por que Cristo se pôs contrário ao apedrejamento de adúlteras, se aquela selvageria era uma profunda tradição entre os hebreus ?
                        Acredito que não existem justificativas plausíveis para a derrubada anual de uma imensa árvore apenas pela simples alegativa da tradição da festa. O Ibama , o governo do Estado, a Prefeitura de Barbalha e a Igreja  têm o sagrado direito de interceder contra esta barbárie. O próprio Santo Antonio teria recuperado todo um campo de trigo , preocupado com o impacto ecológico. É justo, em seu nome, perpetrar anualmente um crime ambiental ? Por que não usar o mesmo angico centenário  deste ano, nos próximos cem ? Teríamos ainda a vantagem de duplicar a festa :  o fincamento do pau no início e a retirada no final das festividades.
                        Quanto à morte de Cícero Ricardo , as autoridades se adiantaram em afirmar que se tratou de uma fatalidade. Para mim, o acidente era  totalmente previsível. Imaginar o transporte de uma árvore de muitas toneladas, por muitos quilômetros , embalada por uma multidão de penitentes , na sua maior parte inebriados pela “Cachaça do Seu Vigário”, tendo que periodicamente pôr abaixo o imenso vergalhão, num movimento que necessita de precisão cirúrgica, certamente se trata de uma fábrica de acidentes. Por que não utilizar métodos mais modernos de transporte em que a segurança seja a principal normal a ser pensada ?  A festa agora envolve um público gigantesco, se comparada a anos atrás, a segurança de todos deve ser prioridade absoluta para evitar as famosas fatalidades previsíveis.  A integridade física dos festeiros deveria ser a principal bandeira do pau.
                        Ademais, numa festa de tamanho vulto, faltaram as blitzes  com seus bafômetros. A sensação que temos é que há ingerências políticas, fazendo  com que a polícia rodoviária maneire , lave as mãos , sob pena de prejudicar a diversão do pessoal. Quantos motoristas saíram da Barbalha sem a mínima condição de dirigir , pondo em risco não só suas vidas mas a de outros transeuntes ?  O Código Nacional de Trânsito não tem aplicação prática nas grandes festividades nacionais ?  
                        Diante da pretensa fatalidade, o público sequer se compungiu com o acontecido. A diversão continuou. Depois, sentada a poeira, as opiniões divergiram. Os organizadores sacaram a versão do fatalismo: o acidente estava escrito nas estrelas. Os incréus lembraram de imediato da pouca capacidade milagreira do Santo que sequer conseguira proteger seu pupilo Cícero Ricardo. E os crentes, preocupados com o profanismo da festa, sacaram o Velho Testamento e comentaram, abertamente, o acidente fatal como um castigo dos céus. À frente de tudo, no entanto, encontra-se o Estado, nas suas mais variadas instâncias,  que tem como função precípua proteger a população e dar-lhe a segurança necessária . Há necessidade , sim , de regulamentar a festa, de criar mecanismos para que acidentes previsíveis e evitáveis  não aconteçam. A Igreja, por sua vez, que tem, historicamente, o mando da festança, precisa tomar as rédeas da solenidade, pois o princípio básico de qualquer religião é sim a preservação da vida. O que aconteceu no último domingo não foi uma mera fatalidade, apenas a Crônica de uma Morte Anunciada. Outras tragédias continuam plantadas esperando a floração, regadas, ano após ano, pelas águas de uma perniciosa tradição. Quantos sacrifícios serão ainda necessários até descobrirmos que a Vida ,sim,  é que é a maior    festa ?


Crato, 05/06/15 

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Crisálida


J. FLÁVIO VIEIRA

                                   A constatação tem a textura de uma rocha magmática: a árvore frondosa desabou e está ali estendida, inerme,  no meio da estrada. Os transeuntes obstacularizados pelos galhos volumosos se postam diante da catástrofe : menos interessados em entender os meandros da hecatombe e mais  perplexos ante o  simples impedimento  de seguir em frente. Certo que um dia , inevitavelmente, esperava-se o desabamento : destino de todos os corpos imantados pela gravidade do tempo. Mas  a queda nos toca profundamente , sempre, como se nos impingisse a certeza absoluta da impermanência , da fluidez dos minutos e das horas   escorrendo , inflexivelmente,  para o  ralo tenebroso da inexistência.
                            Hoje, a árvore, mesmo tombada,  ainda parece fazer parte da nossa perspectiva diária, como se seu reflexo ainda ali estivesse indelével no horizonte. Amanhã, no entanto, se juntará à paisagem pretérita. Caule, folhas, galhos , flores,  pouco a pouco serão mastigados pelos incansáveis operários do nada e o pó teimará em retornar a  pó , numa ubíqua e carnal comunhão com toda a natureza.
                            Os observadores da árvore mais próximos, talvez já nem a percebessem : fazia parte do gasto panorama cotidiano. Agora, no entanto, com a queda repentina e o vácuo no horizonte, se hão de perguntar perplexos : o que fica do tronco e suas incontáveis ramificações  que ontem ali estavam, dependurados na estampa do infinito ?
                            Ficam as incontáveis lembranças do seu apogeu. A sombra que acalentou e protegeu os dias não apenas dos seu frutos, mas de todos os insetos, passarinhos e  viandantes que dela se aproximaram. Também a  aparente aspereza do seu porte que precisou criar raízes fortes e profundas para suportar o peso dos galhos imensos  que lhe davam fortaleza. O despojamento de livrar-se das folhas , seu vestido de gala, nos períodos de seca e estiagem, projetando a flora  nas futuras primaveras. Ficam também  as flores com as quais inundou o mundo de cores e aromas e as serviu, copiosamente, sem distinção, a todos que por ali passaram. Permanecessem, intocados pelo tempo, os frutos estendidos  numa mesa imensa e   servidos, irmanamente,  num banquete opíparo e magnânimo,   para degustação de pássaros, borboletas e peregrinos. E , por fim, o pólen : espargido aos sete ventos , disseminando a opulência e o milagre da vida  floresta afora.
                            Tronco e  ramada ao chão são apenas uma mera metamorfose da árvore.  Ela faz-se , misteriosamente, crisálida  enquanto aguarda , pacientemente, no casulo,  a eclosão das tenras asas para  o novo voo nupcial.
                           

Crato, 24/04/15

quinta-feira, 16 de abril de 2015

O giro dos tufões


Os que amei, onde estão? Idos, dispersos,
arrastados no giro dos tufões,
Levados, como em sonho, entre visões,
Na fuga, no ruir dos universos...
......................................................
Mas se paro um momento, se consigo
Fechar os olhos, sinto-os a meu lado
De novo, esses que amei vivem comigo,

Vejo-os, ouço-os e ouvem-me também,
Juntos no antigo amor, no amor sagrado,
Na comunhão ideal do eterno Bem.

Antero de Quental, in "Sonetos"
 

                                                               A equação  parece simples e nem necessitaria da ajuda  da matemática. Imaginem uma garota  bonita, meiga, doce, filha de um médico renomado, nascida na capital, com todas os desejos de uma criança totalmente ao alcance das mãos. Os mais simples anseios adolescentes ali estavam perfeitamente atingíveis. O caminho mais previsível seria relegar os estudos a um segundo plano, meter-se em festas , ter a praia como uma extensão da sua casa e tomar o shopping center como seu templo  maior, onde passaria a fazer oferendas diárias ao mais sagrado deus da modernidade : o consumo. Depois, certamente, apareceria o casamento perfeito  e nem haveria a necessidade de se preocupar com o futuro. Viriam alguns filhos que seriam criados afetuosamente pelas babás, pagas regiamente, e a vida se resumiria a viagens, passeios e deleites. Os frutos da existência estavam ali pendentes em galhos baixos, prontos para a colheita diária.
                                               Este talvez seria o caminho trilhado por incontáveis dondocas dos dias atuais. A felicidade vista ali na prateleira da loja de departamentos pronta para ser adquirida , dia a dia, nas mais variadas sessões. O cartão de crédito seria o ingresso de cortesia para o Shangri-lá. Pois bem, pensem, agora, num anjo que , simplesmente, resolve nadar contra a corrente e escolhe trilhar, biblicamente, o caminho estreito ao invés da highway.  
                                               Ela se chamava Marinila e fez-se aluna dedicada, enveredou pela Medicina e formou-se com aquela chama hipocrática de tratar e curar os mais necessitados. Poderia escolher uma especialidade rentável, destas que enchem os olhos dos recém-formados da atualidade  tão afeitos às cabines duplas. Eles babam de satisfação e descobrem, rapidamente, sua vocação,  no sonho certo do pote de ouro ao pé do arco-íris. Ao invés disso, ela buscou o patinho feio da sua profissão : A Medicina Social. Poderia, mais uma vez, ter se dedicado única e exclusivamente ao bem-estar da sua própria família. Carregava consigo, no entanto,  a vontade de mudar o destino terrível de uma outra família que houve por bem adotar : a de milhões de desafortunados que migalhavam no país , diuturnamente, por uma consulta, um exame complementar, um medicamento. Profundamente religiosa – uma faceta que herdou indelevelmente da família—descobriu cedo que a doença estava intrinsecamente ligada à política e que , como diria Foucault, para ser sadio o homem necessitaria primeiramente ser liberto.
                                   Num crítico momento porque passava o Brasil, meteu-se na luta desigual que redundou na Constituição de 1988 e nos alicerces do Sistema Único de Saúde. Envolveu-se, logo a seguir, nas gestões municipais do SUS, no interior do Ceará, naqueles terríveis instantes da implementação do novo Sistema, nadando contra as fortes correntezas contrárias da Medicina Privada. Como Secretária de Saúde, deixou um legado inesquecível de trabalho árduo, técnica afiada, administração sóbria e solidária,  e honradez absoluta e irretocável. O Cariri viu, diante de si, a mais completa , justa e bem intencionada Secretária de Saúde de toda sua história. Depois, ascendeu à vida acadêmica, como professora e Coordenadora da Faculdade Federal de Medicina do Cariri, após cumprir, com galhardia, Mestrado e Doutorado na Itália. Os alunos liam facilmente nos seus olhos que a Medicina não era um ofício mas uma Arte,  que o médico trabalhava num templo e não em uma oficina.
                                   A batalha maior da sua vida, no entanto, estava ainda por vir. No auge das vidas profissional e pessoal,  eis que o destino lhe põe face a face com o inimigo contra o qual batalhara durante todos seus dias : a Moléstia. Enfrentou-a com  força hercúlea, instante a instante, minuto a minuto. Manteve-se impávida ante o sofrimento e a dor, fazendo tremular, até o fim, a verde bandeira da esperança. Nestas esquinas tortuosas da vida é que se percebe, claramente,  a religiosidade de superfície.  Do seu corpo já frágil, porém, brotava uma luz incandescente, reflexo da profunda espiritualidade que imantou toda sua existência. Ante o desespero dos amigos mais próximos, pedia que orassem simplesmente para que se fizesse a vontade de Deus e não para que Ele viesse a mudar os seus desígnios.
                                   Estas palavras saem apenas agora depois de quase um ano do voo último do nosso pássaro. É que para todos nós,  Marinila se mostra ainda tão vívida , parece que encontraremos aquele sorriso  aberto e largo na quebra da próxima esquina. E a  ausência se faz insidiosamente, como um caruncho que nos vai , lentamente, roendo as fibras da nossa alma.  A saudade, no entanto, esmaece um pouco quando vemos diante de nós um outro irmão que sofre, uma injustiça que precisa de luta para ser corrigida,  uma caridade que necessita transformar-se, urgentemente, em justiça social.  Marinila, como por encanto, chega então com o seu sorriso e sua meiguice de outrora, junta-se a nós no Amor sagrado, na comunhão universal do eterno Bem.

Crato, 16/04/15